sexta-feira, 24 de fevereiro de 2017

Passageiro de trem para Cumbica terá de pegar ônibus até terminais

23/02/2017 -  Folha de S. Paulo

O que deveria ser provisório vai se tornar definitivo. Quem desembarcar do trem planejado para levar passageiros ao aeroporto de Cumbica, em Guarulhos (Grande SP), terá que usar um serviço de ônibus para fazer a conexão com os terminais de voo. 

Após sucessivos atrasos, a linha 13-jade da CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos) tem sua conclusão prevista pela gestão Geraldo Alckmin (PSDB) para o primeiro semestre de 2018. 

Inicialmente, o ônibus era cogitado como paliativo até que a concessionária do aeroporto entregasse ao governo do Estado o monotrilho prometido para fazer essa interligação, com prazo de conclusão estimado para 2020 e custo próximo de US$ 40 milhões. 

Essa já era uma mudança significativa em relação ao projeto original do Estado, que previa a construção da estação Aeroporto em distância que os passageiros pudessem caminhar até o check-in. 

A decisão da concessionária GRU Airport de construir um shopping no local planejado para a estação obrigou o Estado a rever o projeto. 

Em troca da mudança, a concessionária se comprometeu a transportar gratuitamente os usuários do trem aos terminais, sem obrigação de uso de um modal específico. O plano inicial era usar um monotrilho, a exemplo de outros grandes aeroportos. 

Agora, de acordo com a avaliação da GRU Airport, a demanda de passageiros será suficientemente atendida com o sistema rodoviário. 

A chegada pela nova linha da CPTM será numa estação perto do terminal 1 do aeroporto, que atualmente conta com voos da Azul e da Passaredo, mas longe dos principais pontos de embarque –a cerca de 2 km do terminal 2 e a 3 km do terminal 3. Haverá uma espécie de minirrodoviária ao lado da estação para fazer o deslocamento final. 

Segundo a GRU Airport, "o cronograma do projeto está em linha com o prazo de entrega das obras da CPTM". 

Um possível problema da conexão por ônibus é o descompasso entre a quantidade de pessoas que esse modo é capaz de transportar (até 80) diante do volume muito maior do trem (até 2.600). Um monotrilho, em comparação, teria capacidade de fazer o deslocamento de mais de 400 passageiros por viagem. 

Além disso, atualmente o intervalo entre as viagens do ônibus que faz a conexão entre os terminais é de 15 minutos, o que poderia levar a grandes filas e transtornos na saída da estação de trem. 

Para evitar problemas, o governo do Estado já fez uma proposta à GRU Airport: permitir que os passageiros façam o check-in antecipado e o despacho de bagagens na estação Brás do Metrô e da CPTM, no centro de São Paulo, onde o passageiro deverá pegar a linha 12-safira até a estação Engenheiro Goulart, na zona leste. 

De lá, ele seguirá por mais 12 km pela linha 13-jade até Cumbica. O tempo previsto no deslocamento do centro até a futura estação do aeroporto é próximo de 50 minutos. 

O plano previsto pelo governo inclui a destinação de um ou mais vagões dos trens para o transporte das bagagens, que ficaria a cargo das próprias companhias aéreas. 

ANTIGA PROMESSA 

Pelo porte do aeroporto e pelo vasto número de voos internacionais que oferece, a ligação por trilhos de Guarulhos ao centro de São Paulo, a exemplo do que acontece em grandes metrópoles internacionais, é uma antiga promessa de gestões tucanas. 

A conexão ferroviária é anunciada há pelo menos 15 anos. Em 2002, durante a campanha pela reeleição, o governador Geraldo Alckmin (PSDB) manifestava o desejo de ter um "Expresso Aeroporto" pronto em 2005. 

Nessa versão, o projeto faria a ligação direta da estação da Luz até Cumbica em 22 minutos. O trem teria local para acomodar bagagem e tarifa estimada à época em R$ 20. 

O plano não teve andamento, contudo, e foi reciclado em 2007, já na gestão de José Serra (PSDB). Com promessa de recursos federais e da iniciativa privada, a expectativa de entrega ficou para 2010. 

Ainda em 2009, no entanto, houve nova previsão: o trem expresso seria incluído no pacote de obras para o país receber a Copa de 2014, mas nenhuma empresa manifestou interesse no plano. 

Finalmente, em 2011, outra vez sob o comando de Alckmin, o governo abandonou a ideia do trem expresso e optou por expandir a malha da CPTM até Guarulhos, com a criação da linha 13-jade. 

Desde então, houve ao menos três atrasos em relação aos prazos divulgados de entrega da linha, já anunciada para 2014, 2015 e 2016. 

O investimento do Estado nas obras da linha 13 é de R$ 1,8 bilhão, e a estimativa inicial era de 130 mil pessoas transportadas por dia –além de passageiros, o aeroporto de Guarulhos é o destino de mais de 35 mil trabalhadores.


segunda-feira, 12 de dezembro de 2016

Gestão Alckmin perde empréstimo para CPTM e realoca verba da Tamoios

12/12/2016 - Estadão

Em meio aos atrasos na entrega de trens da rede ferroviária, o governo Geraldo Alckmin (PSDB) perdeu o financiamento do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) para pagar 35 composições mais modernas compradas em 2013 com o objetivo de renovar e ampliar a frota da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) na Grande São Paulo. A opção é realocar recursos não usados da ampliação da Tamoios.

Segundo o governo, a suspensão dos desembolsos foi informada pelo banco em agosto e aconteceu porque a CAF do Brasil, fabricante dos trens, descumpriu o índice de nacionalização dos veículos previsto em contrato, de 60% do valor e do peso das composições. Procurada, a empresa espanhola que monta os trens em uma fábrica em Hortolândia, no interior paulista, não se manifestou.

O financiamento, no valor de R$ 982 milhões, foi aprovado pelo BNDES em outubro de 2014. Os 35 trens deveriam ter sido entregues pela CAF até junho, mas somente 12 composições chegaram para operar nas Linhas 7-Rubi (Bom Retiro-Jundiaí) e 11-Coral (Luz-Estudantes), após repasses de R$ 337,8 milhões feitos pelo banco. O atraso é alvo de investigação do Ministério Público Estadual.

Agora, o governo Alckmin terá de usar recursos próprios do Tesouro estadual, que sofre com queda de arrecadação, para pagar pelos 23 restantes e negociar com o BNDES a possibilidade de remanejar os cerca de R$ 650 milhões que sobraram do financiamento para a construção do novo trecho da Rodovia dos Tamoios (SP-99) – 33,9 km de pistas ligando as cidades de São Sebastião e Caraguatatuba. O empreendimento deve ser concluído em 2018 ao custo de R$ 3,2 bilhões.

Para que o banco possa autorizar a mudança, a Assembleia Legislativa precisa aprovar um novo projeto para alterar a lei de 2013 que liberou o financiamento e aditar o contrato com o BNDES. A proposta foi enviada aos deputados na semana passada, em regime de urgência, e ainda está em discussão na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ). Assim, o governo conseguiria usar uma parte do dinheiro do orçamento da Tamoios para pagar os trens da CPTM. O pleito ainda será analisado pela instituição.

Além dos 35 trens da CAF, o governo encomendou outros 30 veículos com o consórcio Iesa-Hyundai-Rotem, ao custo total de R$ 1,8 bilhão. Em agosto, somente 11 trens haviam sido entregues, o que levou o governo a multar as empresas em R$ 12 milhões. A CAF não se manifestou sobre os atrasos e a Hyundai alegou problemas na construção do material rodante, por causa do pedido de recuperação judicial feito pelo Iesa.

Déficit. Quando o primeiro projeto de lei solicitando autorização para financiamento do BNDES foi enviado à Assembleia Legislativa, em dezembro de 2012, o governo informou que a compra dos 65 trens era necessária para atender ao crescimento do número de passageiros, que mais do que dobrou em dez anos, e renovar parte da frota. Para suprir a demanda em 2014, com o intervalo médio de 3 minutos de espera, seriam necessários 240 trens nas seis linhas da CPTM, mas a companhia iniciou este ano com 196 composições. Naquela época, 66 trens deixariam de rodar porque já tinham idade avançada.

Meta. A Secretaria dos Transportes Metropolitanos do governo Geraldo Alckmin (PSDB) informou, em nota, que a CAF não conseguiu cumprir o índice de nacionalização de 60% exigido pelo BNDES para liberação do financiamento porque parte dos fornecedores de componentes e de peças de trens com sede no País descontinuou as produções, obrigando a empresa a importar mais componentes para que a produção dos trens não fosse interrompida.

Segundo a pasta, 12 dos 35 trens da CAF já foram entregues, mas somente sete estão em operação nas Linhas 7-Rubi e 11-Coral. Os demais, afirma a secretaria, estão em fase de testes, conforme determinam os protocolos de segurança. Ainda de acordo com o governo, a CAF continua a produzir os demais trens em sua fábrica em Hortolândia, no interior de São Paulo - a serem entregues em 2017.

A secretaria informou também que o projeto de lei enviado para a Assembleia Legislativa tem como objetivo garantir a continuidade dos dois contratos, com o BNDES e com a CAF. A proposta, afirma o governo Alckmin, é utilizar os recursos restantes do financiamento do banco na construção da Rodovia dos Tamoios no litoral norte e usar a verba do Orçamento do Estado que seria destinada à obra rodoviária nos próximos dois anos para o pagamento dos trens que ainda serão entregues pela CAF à CPTM.

Ressalta-se também que o BNDES já está financiando parte do projeto de Contorno da Tamoios, que é de grande importância para a infraestrutura local.

terça-feira, 6 de dezembro de 2016

Em São Paulo, estação de trem inicia sistema de pagamento de passagens via QR Code

06/12/2016 - It Forum 365

A estação Lapa, da Linha 8-Diamante da CPTM, em São Paulo, iniciou, nesta segunda-feira (05/12) a operação de pagamento de passagens por meio de QR Code. A solução, desenvolvida e instalada pela Autopass, proporciona agilidade e praticidade aos passageiros do transporte público, além de redução de custos para as operadoras de transportes.

O novo sistema de bilhetagem está em fase piloto, que terá duração de seis meses, e já foi instalado também nas estações Tamanduateí, Vila Aurora, Autódromo e USP Leste. A expectativa é que até o fim do ano a estação Dom Bosco, na Linha 11-Coral, também esteja com a tecnologia instalada para testes. Estas foram as estações selecionadas por apresentarem maior percentual de utilização de bilhetes unitários. Na CPTM, cerca de 20% dos usuários utilizam bilhetes magnéticos unitários (Edmonson) para a entrada nas estações.

Para testar o sistema, o usuário deve adquirir um bilhete unitário nas bilheterias. O cartão será impresso com o código e haverá um bloqueio específico adaptado para a leitura desse bilhete, que deverá ser aproximado à leitora do bloqueio sinalizada para a liberação do acesso. Nos primeiros quinze dias, a venda desse bilhete estará disponível das 9h às 16h.

quarta-feira, 30 de novembro de 2016

Expresso ABC da CPTM inicia operação nesta terça-feira

29/11/2016 - Metro Jornal

O trem expresso da CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos) na linha 10-Turquesa, que irá ligar a estação Prefeito Celso Daniel-Santo André à Tamanduateí, na capital, com parada apenas em São Caetano, começa a funcionar a partir desta terça-feira. A medida prevê diminuição do tempo de viagem para os passageiros da região que utilizam a linha 2-Verde do Metrô.

O novo sistema irá operar de segunda a sexta-feira, das 6h às 9h e das 16h às 19h. Por dia, estão programadas cerca de 14 viagens diretas entre as três estações, com intervalos médios de 24 minutos entre cada trajeto feito.

No período da manhã, os trens partirão da estação Prefeito Celso Daniel-Santo André e depois de chegar em Tamanduateí retornarão vazios para nova viagem expressa. O inverso é feito no horário da tarde, quando as viagens saem da capital e volta do ABC sem passageiros.

O serviço será realizado por um trem de oito carros, com capacidade para até 2 mil pessoas. As composições circularão em via exclusiva entre as estações sem interferir na circulação da linha 10-Turquesa, que opera entre Brás e Rio Grande da Serra.

A estimativa da CPTM é que a linha expressa faça o trajeto completo em apenas 10 minutos e beneficie aproximadamente 49 mil passageiros por dia.

A companhia diz que está emitindo avisos sonoros nos trens e estações da linha 10-Turquesa e fixou cartazes para divulgar o novo serviço. No entanto, a reportagem esteve na tarde de ontem na estação Prefeito Celso Daniel-Santo André e não viu comunicados sobre a nova linha.

Durante os primeiros dias de operação, a CPTM diz que haverá três agentes em cada estação atendida pelo expresso para orientar os usuários. Segundo a companhia, as plataformas contarão com cartazes indicando o local de partida do trem expresso.

sexta-feira, 18 de novembro de 2016

Governador anuncia novo serviço na CPTM: o Expresso Linha 10

18/11/2016 - CPTM

O governador Geraldo Alckmin, em visita ao Centro de Controle de Operações da CPTM, na manhã desta sexta-feira, 18/11, anunciou um novo serviço na Linha 10-Turquesa. 

“A partir do dia 30 de novembro, a CPTM começa a operar um novo serviço para o ABC. O Expresso Linha 10 é um trem direto que atenderá as estações Santo André-São Caetano e Tamanduateí, em dez minutos”, explicou Alckmin, durante evento que celebrou dez anos de implantação do CCO- Centro de Controle Operacional. 

O Expresso Linha 10 beneficiará cerca de 49 mil usuários no trecho mais movimentado desta linha, nos horários de pico. Com apenas uma parada na Estação São Caetano, o serviço atenderá de forma mais rápida o trecho entre as estações Prefeito Celso Daniel-Santo André e Tamanduateí, que tem integração gratuita com a Linha 2-Verde do Metrô. 

O Expresso Linha 10 funcionará de segunda a sexta-feira, das 6h às 9h e das 16h às 19h. Por dia, estão programadas cerca de 14 viagens diretas entre as três estações, com intervalos médios de 24 minutos entre os trens. 

O serviço será realizado por um trem de oito carros, com capacidade para até duas mil pessoas. As composições circularão em via exclusiva entre as estações sem interferir na circulação da Linha 10-Turquesa, que opera entre Brás e Rio Grande da Serra. 

No período da manhã, os trens prestarão serviço a partir da Estação Prefeito Celso Daniel-Santo André, parando na Estação São Caetano e encerrando a viagem na Estação Tamanduateí, de onde retornarão vazios para nova viagem expressa. 

Já no período da tarde, o serviço será iniciado no sentido contrário, com trens partindo de Tamanduateí para encerrar a viagem na Estação Prefeito Celso Daniel-Santo André.

Fonte: CPTM
Publicada em:: 18/11/2016

segunda-feira, 17 de outubro de 2016

Linha 7-Rubi da CPTM terá 19 novos trens

17/10/2016 - Via Trólebus

Dos 65 trens que a CPTM adquiriu, pelo menos 19 devem prestar serviços na Linha 7-Rubi da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos até 2017. A informação é da própria companhia.

Neste período será modernizado o sistema de energia. Então, até o dia 15 de Novembro, o intervalo será maior de segunda a sexta entre 10h e 15h, no trecho entre as estações Franco da Rocha e Francisco Morato.

Serão instalados novos postes para fixação de pórticos, remanejamentos e rebaixamento de circuitos auxiliares de sinalização e de alimentação das subestações, na região da Estação Baltazar Fidélis

Atualmente 3 novos trens operam na linha, e junto com outros 16 trens, o segmento principal da linha Rubi contará apenas com composições novas. Séries antigas como a 1100 devem ser desativadas.

Sistema de energia

Na semana passada um relatório apontou que aumentaram as falhas no sistema de energia. Em 2013 foram 103 ocorrências em todas as linhas, e em 2014, 108. No ano posterior, 126 e só até agosto deste ano, este tipo de falha já soma 100.

sábado, 8 de outubro de 2016

CPTM quer operação da série 9500 em Novembro

03/10/2016 – Revista Ferroviária
A Companhia Paulista de Trens Metropolitanos – CPTM, trabalha com a possibilidade de entregar o primeiro trem da série 9500, produzido pela Hyundai- Rotem em novembro. A informação é do secretário dos Transportes Metropolitanos, Clodoaldo Pelissioni, durante entrevista coletiva na semana passada.

A operadora tem pressa nesta troca, já que segundo informações do próprio governador Geraldo Alckmin, 70% das falhas são oriundas de falhas no material rodante. Parte da frota, sobretudo na Linha 7-Rubi é da década de 50.

As composições foram adquiridas em 2013, e em Agosto, o Ministério Público Estadual – MPE passou a investigar atrasos na entrega. Todos os 65 trens deveriam ter chegado à companhia em junho deste ano.

Até agora foram entregues à operação 5 novas composições produzidos pela CAF, além das que já se encontram nos pátios em testes, que precedem o atendimento aos passageiros.

O Governo estadual quer acelerar a troca, já que no mesmo mês de novembro, as fornecedoras Rotem e CAF devem entregar de 3 a 4 composições a cada 30 dias.

A conclusão das substituições dos comboios antigos por estes novos deve ser feita até 2018, e com isso a idade média de composições deve ser de 10 anos.